15 novembro, 2015

Resenha: A Estrela que Nunca vai se Apagar

TÍTULO: A Estrela que Nunca vai se Apagar
TÍTULO ORIGINAL: This Star Won't Go Out
VOLUME: Único
AUTOR(A): Esther Earl com Lori e Wayne Earl, introdução de John Green
EDITORA: Intrínseca
PÁGINAS: 448
Minha avaliação: 



A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar conta a história de Esther Grace Earl, diagnosticada com câncer da tireoide aos 12 anos. A obra é uma espécie de diário da jovem, com ilustrações, fotos de seu arquivo pessoal, textos publicados na internet, bate-papos com os inúmeros amigos que fez on-line e reproduções de cartas escritas em datas comemorativas como aniversários. A jovem perdeu a batalha contra a doença, mas deixou um legado de otimismo e celebração ao amor. Atualmente sua mãe, Lori Earl, preside a instituição sem fins lucrativos This Star Won´t Go Out (tswgo.org), que apoia pacientes e famílias que lutam contra o câncer.

A Estrela que Nunca Vai se Apagar foi a minha primeira experiência com uma biografia e conhecer a história de Esther foi um privilégio. O livro é sobre a vida da garota que inspirou John Green a escrever ACEDE, mas logo na introdução (que foi escrita pelo autor) John nos conta:

"(...) A personagem Hazel é muito diferente de Esther, e a história de Hazel não é a de Esther. Queria que ela tivesse lido A Culpa É das Estrelas. Fico surpreso que o livro tenha encontrado um público tão grande, mas a pessoa que eu mais queria que o tivesse lido, nunca o fará." - John Green

Esther sempre foi uma menina cheia de vida e amor para dar. Uma das coisas mais tocantes da vida dela é o fato de ela sempre poder dar um sorriso, mesmo nos momentos mais difíceis de sua doença. Acima de tudo ela queria ser feliz.

"Apenas seja feliz, e, se você não conseguir ficar feliz, faça coisas que o deixem feliz. Ou fique sem fazer nada com as pessoas que o fazem feliz." Esther Earl

Alguns trechos do livro mostravam uma Esther madura e resignada. O modo como ela lidava com a doença era sensato e ela tinha consciência total dela. Claro, o livro também mostrava seu lado frágil e assustado. Afinal ela era apenas uma garota de 16 anos quando veio a falecer. Esther se preocupava se viria a ter as experiências que um adolescente normal tem como, por exemplo, o primeiro beijo.

Apesar de tudo Esther viveu uma vida cheia de felicidade, amizade, fé, motivação e amor. Sua história, apesar de curta, é maravilhosa e com certeza vale a pena conhecer.

O livro é muito diversificado. Com partes do próprio diário de Esther (no qual podemos ver as alegrias e preocupações da mesma), das atualizações no facebook sobre o estado de saúde dela, há também momentos onde os próprios amigos e familiares de Esther comentam sobre sua história, isso sem falar das diversas fotos.








A única coisa que recomendo pra você quando estiver comprando o livro ou prestes a começar a ler é: aproveite e já compre alguns lencinhos para as lágrimas que estão por vir, pois são muitas.














2 comentários:

  1. Oi Laura!
    Eu adoro ACEDE, mas nunca tive vontade de conferir "A Estrela que nunca vai se apagar". Ainda assim não tenho duvidas de que deve ser uma bela história.
    Beijos,
    alemdacontracapa.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Com certeza é uma história maravilhosa, um exemplo para qualquer um...
      beijos

      Excluir

Comente com sabedoria. Sem xingamentos, respeitando a opinião do outro, caso ache no texto um erro de gramática é só avisar.
"A bondade é o princípio do tato, e o respeito pelos outros é a primeira condição para saber viver."- Henri Frédéric Amiel
Beijos

© RM Desing - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Renata Massa | Tema Base: Butlariz.
imagem-logo